quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Once upon a time, Pushing Daisies - Um Toque de Vida...

Once upon a time, no dia que seria o dia mais ressaquiado de sua vida, nosso querido Tommy, ainda sob efeito dos litros de scott ingerido nos bailes da vida, conecta-se no messenger e puxa esse que vos escreve para conversa:

Tommy: oi Nerd sensível!
Nerd sensível: oi Tommy! Tudo bem?
Tommy: quer ser um dos editores do thepinklantern?
Nerd sensível: *glupt

A partir daí, foi feita a merda... E como c* de bêbado não tem dono - nesse caso, blog de bêbado, me apresento como o mais novo editor desse charmoso (e pink) blog. Meu nome é Nerd sensível. Nerd por ter camisas do Batman, adorar colecionáveis, gostar de HQ, filmes e séries... Sensível por que... Bem, vamos começar o meu primeiro post. Espero que possamos ficar por muuuuuuuitos anos juntinhos... Farei como post introdutório, um review! Bem, do tipo nostálgico. Algo como: "infelizmente, the end..."


De tempos em tempos, a TV se reinventa. E confirmando a hipótese de que nem todos os produtores querem dinheiro fácil sem nos apresentar qualidade, de tempos em tempos, as séries americanas se reiventam. Uma dessas reivenções foi justamente a deliciosa série Pushing Daisies - Um toque de vida.

Pushing Daisies conta a história de Ned (Lee Pace, indicado ao Emmy), que aos 9 anos, 27 semanas, 6 dias e 3 minutos de vida, descobre que tem o poder de reviver pessoas através do toque. O esquema era simples: um toque de Ned traz a vida. Um segundo toque leva à morte eterna. O que o Ned vai descobrir depois, é que ele só pode reviver uma pessoa por no máximo 60 segundos, e que caso ultrapasse esse tempo, por uma questão de aleatoriedade e de proximidade, alguém morrerá no lugar da pessoa revivida. Ned cresce, aprende a conviver com essa dádiva/maldição e torna-se um exímio "fazedor de tortas". A vida de Ned, porém, vira do avesso quando ele é flagrado por Emerson Cod (Chi McBride), um detetive particular, na verdade um para caçador de recompensas (!), revivendo e "des-revivendo" (!) alguém acidentalmente. Emerson passa a chantagear Ned e o inclui em seus casos particulares. Em um desses casos, Ned revive Charlote (Anna Friel), ou simplesmente Chuck, o grande amor da sua infância. O grande problema é que por ter revivido Chuck, Ned nunca mais poderia tocá-la, ou ela morreria para sempre. Inicia-se assim a mais profunda demonstração do amor, em que novas formas de amar, sem a possibilidade da utilização do toque são reinventadas a cada episódio. Eu como um romântico de carteirinha, vibro em todas as cenas em que Ned e Chuck demonstram seu afeto um pelo o outro... Pushing Daisies conta ainda com a intrépida garçonete d'O Canto da Torta, Olive Snook (Kristin Chenoweth, indicada ao Emmy) e das tias de Chuck, Vivian (Ellen Greene) e Lily Charles (Swoosie Kurtz).

Mil formas de amar!

Pushing Daisies, que poderia ter saído facilmente da mente doentia de Tim Burton, foi criado por Bryan Fuller (criador de Heroes, Dead Like Me e Wonderfalls) e inova por sua estética imaginária multicolorida - sem ser cansativa aos olhos - e pela teatralidade com que os atores interpretam seus personagens. Diálogos sagazes, timing perfeito... Cada gesto nos é oferecido de forma suavemente exagerada, sem no entanto, diminuir a importância do fato ou o impacto que ele nos causaria. Pushing Daisies durou duas temporadas - a primeira com nove episódios e a segunda (inédita no Brasil) com 13 episódios. Facilmente encontradas em sites de importação (!) ou em DVDs! Mesmo sendo deliciosa, como a mistura para uma torta perfeita (referência obrigatória!), a série foi cancelada devido aos seus baixos índices de audiência. Esse fato não chega a ser muito ruim. Apesar de figurar como uma das minhas séries favoritas de todos os tempos e ter seu lugar garantido na minha bat-estante, como todo conto de fadas, Pusnhing Daisies chegou ao seu final feliz e não teve tempo para ganhar a tão famigerada "barriga" - como acontece em muitas séries atualmente (alguém disse Smallville por aí?). Há ainda rumores de que a série viraria um filme. Fato é que após o cancelamento, Bryan Fuller negociou os direitos com a DC Comics e uma minissérie em 12 edições foi produzida (claro que nunca sairá no Brasil!)... Quem nunca viu Pushing Daisies, deveria dar uma chance à série. Tenho certeza que até o mais duro dos corações se encantarão com os amores e aventuras de Ned, Chuck e cia!

3 comentários:

Ckreed disse...

Série interessante, parece bem divertida apesar do assunto sério. Num rola uns links pra importação, não? Bem-vindo Nerd Sensível ao blog.

Nerd sensível disse...

Obrigado Ckreed! Prometo uns links de sites especializados em importação de séries! rsrs

Thommy disse...

Isso ae nerd. Quero importar a série tbm! Me passa os links de importação?